Sistema de Diretórios no Linux

Este artigo é sobre o sistema de diretórios no Linux.

Diferente do Windows, o sistema é bem abrangente e maleável. No Windows, tudo é instalado no mesmo local, tanto os arquivos de programas como as libraries. Já no Linux existe um padrão mas o usuário pode alterar tudo completamente.

Segue uma lista comentada dos diretórios no Linux:

  • /bin: (binary) armazena os binários dos programas
  • /boot: programas que iniciam o sistema ao ligar (boot) à máquina
  • /dev: (device) lista os dispositivos de hardware conectados à máquina (físicos e/ou virtuais)
  • /etc: (etcetera) arquivos gerais de configuração tanto de programas padrões do sistema como de programas instalados posteriormente à instalação.
  • /home: diretório de usuário. Cada usuário tem um diretório sob o home para guardar seus arquivos pessoais. Já vem com uma estrutura padrão com pastas para Documentos, Músicas e Vídeos, por exemplo, mas todas elas podem ser renomeadas/alteradas/removidas sem problema. O diretório home também pode ter pastas genérias (para acesso via rede, por exemplo) sem pertencer a um usuário.
  • /lib: (library) bibliotecas usadas pelos programas instalados na máquina
  • /lost+found: (achados e perdidos) arquivos soltos no sistema. Quando ocorre um crash no sistema ou uma desinstalação incompleta de programa, por exemplo, alguns arquivos podem perder sua vinculação com o programa a que pertencem. O kernel, ao enxergá-los, move-os para lost+found pois nenhuma rotina do sistema ou programas apontam para esse diretório.
  • /misc: (miscellaneous) parece com o etc mas é mais indicado para armazenar rotinas ou arquivos fora do padrão como, por exemplo, um programa feito pelo próprio usuário. Também pode ser usado para armazenamento de arquivos, como uma pasta de backup, pois não tem vinculação com rotinas padrões do sistema.
  • /mnt: (mount) lista as partições e sistemas de arquivos do sistema. Partições padrões como / e home são montadas automaticamente na inicialização do sistema, outras, como partições para backup em que não há sistema operacional instalado, podem ser montadas manualmente ou automaticamente usando cron.
  • /opt: (optional) alguns programas perguntam ao usuário onde devem ser instalados. Este diretório é uma boa opção pois não fica sob a home do usuário e facilita o controle do usuário. O NetBeans é um exemplo de programa que pede um local para ser instalado. Normalmente, ele aponta para a home do usuário mas muitos o instalam na opt. Progamas padrões do sistema não são instalados aqui.
  • /proc: (processes) armazena arquivos que monitoram e/ou armazenam informações sobre os daemons que estão rodando no sistema.
  • /root: (raiz) o diretório home do usuário root.
  • /sbin: (super-binary) o diretório bin do usuário root. Programas que tem permissões de acesso somente para o root armazenam seus binários neste diretório.
  • /tmp: (temporary) armazena arquivos temporários que os programas usam para executar ações on-the-fly requeridas por outras tarefas. O diretório é limpo quando se faz um reboot pois sua finalidade é servir como uma memória swap para as aplicações e não servir como persistência de dados.
  • /usr: (user) é um diretório de sistema alheio ao sistema. Permite armazenar binários de programas, por exemplo, e a finalidade deste diretório é servir como local para instalação de programas que não são do sistema. A priori, o diretório bin armazenaria os binários dos programas naturais/padrões do sistema e o /usr/bin os binários dos programas que o usuário vier a instalar. Também tem a finalidade de armazenar arquivos que devam ser acessados por todo e qualquer usuário.
  • /var: (variable) logs do sistema e programas em geral.

Veja que não há um padrão rígido. Você pode instalar um programa na sua pasta home ou na opt e cada situação tem suas implicações.

Como exemplo, cito o programa da Receita Federal para fazer e transmitir a declaração do Imposto de Renda. Se você instalar o Receitanet (que faz a transmissão) no opt (que é o que o programa tenta fazer), vai ter problemas de permissão e não vai conseguir enviar. Isso porque o diretório opt não tem as permissões necessárias, você pode alterá-las para conseguir usar o programa ou instalá-lo na sua home.

Bom, a idéia aqui é que a listagem sirva como referência, apenas, ok?

É isso aí.

Abraço.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s